ORC SLAYER (Orc Slayer, 2016)


“Muitos orcs, muita munição, porém diversão e replay mínimos”

Muitos amam, outros odeiam o gênero FPS (First Person Shooter). O ódio de alguns é porque o gênero estagnou e até hoje não apresentou novidades. Então, ou o jogo segue uma franquia que mesmo pelo cansaço acaba vencendo e se mantendo no topo, sobretudo com um massivo apelo online (Call of Duty neste caso), ou usa de ideias criativas e na jogabilidade cheia de recursos, como Bioshock.

Orc Slayer é um jogo indie FPS da Cooply Solutions. Infelizmente, não traz nenhuma das duas alternativas citadas anteriormente. Esqueça a diversão online com amigos. Esqueça criatividade. Com gráficos praticamente sempre iguais e que lembram um jogo de PS2 (emborae ainda não aproveitasse a potência do console), uma história praticamente nula, e apresentando um esquema típico de Serious Sam (mate tudo que estiver se movendo), porém sem a mesma diversão e deboche, Orc Slayer é mal feito, esquecível e não recomendado.

Existem outros problemas como queda de frame rate, bugs, sistema de upgrades falho, e não existir sequer o fator replay.

Tenho certeza que 99% dos jogadores deletará o jogo após terminar a campanha, ou até mesmo antes. As armas também não variam. Flecha é o básico aqui, a munição é infinita. Outras opções existem como flecha de fogo e choque, mas por ironia tem horas que nem esses dois elementos ajudam. Outro problema gravíssimo. Na luta contra o último chefe, levei em torno de uns 30 a 45 minutos para matá-lo. Isso na segunda tentativa, pois na primeira o jogo travou e tive que reiniciar a fase inteira. Por mais que desse flechadas no chefe, ele parecia imortal e pensei que nunca terminaria o jogo.

Orc Slayer é praticamente uma afronta a qualquer jogador que espera um jogo criativo, elaborado e que fique na memória. Preço barato  não é desculpa (peguei numa promoção de R$10), ser produtora independente muito menos. Já tive a oportunidade de pegar jogos indies e módicos muito melhores até que alguns chamados de AAA. O que sobra é apenas a platina tranquila isso para os “trophy hunters”. Se puder alugar, melhor. Só digo uma coisa: fique longe para não passar a mesma raiva que passei, aviso de amigo e de jogador.

 A resenha foi feita a partir da versão de PS4.

:: NOTA: 2,0

:::

:: FICHA TÉCNICA:

:: DESENVOLVEDORA: Cooply Solutions
:: GÊNERO: Ação, Tiro, Primeira Pessoa, Arcade
:: ANO DE LANÇAMENTO: 2016
:: PLATAFORMAS: PS4
DURAÇÃO: 4 a 5 horas
:: CLASSIFICAÇÃO: 12 ANOS
:: METACRITIC: Orc Slayer

 

 

 

:::

::Assista abaixo ao trailer:

Previous L7 apresenta o vídeo de "I Came Back to Bitch"
Next A FORMA DA ÁGUA (The Shape of Water, 2017)

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO